LACNIC reúne-se com autoridades e operadores da América Latina por mudança de protocolo da Internet

O Registro de Endereçamento da Internet para a América Latina e o Caribe (LACNIC) começou, uma série de visitas e reuniões com autoridades e empresários da América Latina para informar sobre o iminente esgotamento do estoque regional dos endereços IPv4 e as mudanças tecnológicas que devem ser implementadas para permitir o normal desenvolvimento da Internet nesse país.

Os endereços IP são um recurso finito e vital para o correto funcionamento da Internet, e neste ano, existem desafios importantes decorrentes principalmente do começo de uma nova etapa, em que a disponibilidade de endereços IP versão 4 (IPv4) vai ser cada vez menor. Esta nova etapa requer da participação ativa de todos os atores relevantes a fim de torná-la o mais suave possível, garantindo o crescimento contínuo da Internet através de uma correta transição para a versão 6 (IPv6) do protocolo da Internet, de forma estável e segura em todos os países da região.

De fevereiro a final de março, especialistas de LACNIC visitaram organizações de governo e provedores da Internet da Venezuela, Panamá, Colômbia, Equador, Peru, Trinidad e Tobago, Chile e Argentina para gerar consciência sobre o esgotamento iminente do IPv4 e a necessidade de concretizar a implementação definitiva do IPv6.

Mais de seis de cada dez organizações da Internet da região possuem pelo menos um bloco de endereços IPv6, a nova tecnologia da Internet que substitui ao velho protocolo IPv4.

Brasil lidera o ranking dos países com maior quantidade de designações de IPv6, seguido pela Argentina, Colômbia, México, Chile, Costa Rica, Equador, nessa ordem, segundo os registros técnicos de LACNIC.

Hoje cinco de cada dez latino-americanos tem acesso à Internet, um número que deve crescer nos próximos 30 meses. Estima-se que haverá 100 milhões de novos usuários da Internet quando chegarmos a 2015, totalizando 355 milhões de internautas na América Latina e o Caribe.